Leo Costa – biografia

Leo Costa começa a tocar violão aos 13 anos de idade na cidade de Torrinha-SP, dando continuidade à sua formação musical na cidade de Bauru, com o maestro George Vidal. Ao chegar em São Paulo, aos 17 anos, estuda com o violonista Ulisses Rocha, formando-se depois em arranjo com o maestro Cláudio Leal Ferreira.
Leo compõe desde a adolescência, e seu trabalho já rendeu elogios de importantes referências da música brasileira como Swami Jr., Filó Machado, Marco Bosco, Ulisses Rocha, Ivan Vilela e Tavito.
Em 2007, dirigiu e produziu, ao lado de Francisco Andrade, a Orquestra Multivozes em Pilar do Sul (SP), composta de 30 violões e de uma pequena orquestra dentro do projeto do Ponto Pilar Cultural.
É fundador do Ponto de Cultura de Torrinha-SP (2009), centro cultural da sua cidade natal dedicado ao ensino da música, luteria e à viola caipira.
Em 2009, junto com Muari Vieira, fundou o coletivo de violonistas Comboio de Cordas, na capital paulista, com mais de cento e vinte apresentações realizadas, onde participaram veteranos e novatos do violão brasileiro como Zé Barbeiro, Chico Saraiva, Emiliano Castro entre outros. O coletivo fez parte do Coletivos T.D.V. (coletivo de coletivos musicais em São Paulo) e foi premiado pelo Prêmio Funarte de Música Brasileira 2012.
Também foi diretor musical e arranjador das seguintes peças teatrais com a Cia. Artes Simultâneas: “Sarau do Machado” , “Paisagens Paulistanas” e “Um pouco de ilusão, poesia e canção”.
Leo Costa integrou o grupo instrumental Quarteto Garatuja e o grupo cancioneiro Todos Acordes, ambos dedicados ao fomento e projeção da música autoral. Em 2011, ganha o Prêmio Caiubi (Clube Caiubi de Compositores) de melhor show do ano com Todos Acordes, juntamente com Álvaro e Alexandre Cueva.
Em 2013, forma o Duo de violões Muari Vieira & Leo Costa com arranjos e composições próprias onde firmaram forte parceria em shows, oficinas e gravações.
Em 2014, o músico fez shows na França, em Paris, acompanhado da flautista Amina Mezaache, do violonista Gabriel Improta, do percussionista James Muller e do sete cordas Thierry Moncheny. Lecionou aulas no Clube do Choro de Paris e ministrou oficinas de violão na cidade.
Arranjou e co-produziu na mesma época o show “Afinidades” da cantora francesa Valérie Marienval. Mais recentemente produziu e arranjou os álbuns “Tempos de Canção” (2016) do compositor Álvaro Cueva e “Estação Felicidade” (2017) de Augusto Teixeira, com participação de Zeca Baleiro e Ceumar.
A partir de 2016, começou sólido trabalho com a cantora portuguesa Joana Reais, no duo Al Mar e em formação de quarteto.
No mesmo ano, Leo Costa fez um show marcante para seu trabalho no Festival Parque da Vila, em São Paulo, depois de ter participado com o mesmo show no Festival #músicaparatodos.
Em 2017-2018 lança seu primeiro álbum intitulado “Leo Costa”, gravado ao vivo em estúdio com vídeo-clips integrais das faixas.